Labirinto



Poema do livro RARO (POEMAS DE EROS) William Soares dos Santos | Urutau | 2018

O teu corpo me assombra,

- árvore da goiabeira -

vou jazer equivocado

no desgosto

por não encontrar no

vocabulário humano a

palavra clara

num recôndito celeste.


É como dizer

luar que alumia,

vício que avicia,

sol que solimia.


Viverei num labirinto

retroflexo,

aritmético,

num infinito

a palpitar

e a retentar coreografar

repetidas fórmulas

reencarnadas

de encarnar

o inequívoco

de tua carne.



WILLIAM SOARES DOS SANTOS, professor da UFRJ e escritor. Com o livro "Poemas da meia-noite (e do meio-dia)" (Editora Moinhos, 2017), ganhou o Prêmio PEN Clube do Brasil de 2018 e foi finalista do 3º Prêmio Rio de Literatura 2018.



© 2020 {voz da literatura}

  • White Facebook Icon
  • White Twitter Icon
  • Branco Ícone Google+