A vegetariana

Han Kang | Tradução Jae Hyung Woo | Todavia | 2018 | 176 p.


A literatura sul-coreana não é das mais conhecidas pelos leitores brasileiros. Em 2009, pela editora Landy, apareceu Contos contemporâneos coreanos, por iniciativa da tradutora Yun Jung Im, professora da USP. A edição preparada por Yun conta ainda com prefácio de Boris Schnaiderman. Ainda por iniciativa de Yun, outras obras foram publicadas, como O pássaro que comeu o sol: poesia moderna da Coreia e Sijô, poesia coreana clássica. O romance A vegetariana entra na esteira da recepção da literatura sul-coreana no Brasil. Publicado pela editora Todavia em setembro, o livro é de autoria da Han Kang (1970), escritora que vem publicando ficções e ensaios desde 1995. A vegetariana recebeu o Prêmio Internacional Man Booker. A jovem Yeonghye, após sonhos perturbadores, decide parar de comer carne. Essa decisão impacta em sua relação com o marido e os demais familiares. Divido em três partes, o romance destrincha um estado psicológico de alterações de Yeonghye sobre sua relação com a carne, não somente no caráter alimentar, mas em suas múltiplas manifestações, incluindo a do ser humano como ser carnal. A incompreensão familiar leva a personagem a ser internada em hospital psiquiátrico e sofrer consequências gravosas. Essa trama construída com rigor por Han Kang conduz o leitor a um enredo de fundo altamente filosófico, que descarna as certezas de qualquer um sobre as implicações da carne na vida humana.


{n. 7 | novembro | 2018}

© 2020 {voz da literatura}

  • White Facebook Icon
  • White Twitter Icon
  • Branco Ícone Google+