LEITURA | Como ver um filme


por Marcelo Henrique Marques de Souza,

mestre em Comunicação Social,

professor, escritor e poeta.



Como ver um filme {ensaios} | Ana Maria Bahiana | Ed. Nova Fronteira | 2012


Título enganoso, que sugere a ideia de "manual". Alarme falso, já que a listagem dos aspectos técnicos que compõem a produção dos filmes – roteiro, montagem etc – vem acompanhada de uma série de comentários críticos estimulantes, que permitem várias possibilidades filosóficas, políticas e cotidianas para as obras cinematográficas citadas, quando se as pensa em rede complexa com a vida, sem ingenuidades isolacionistas.


Um desses comentários traz a figura do "McGuffin". Técnica hitchcockiana usada para sustentar o suspense das tramas até o final a partir de sutis pistas falsas que alimentam brechas de enigma na narrativa, o McGuffin se materializa como uma espécie de estado de drible praticado pela inteligência, que estende o raciocínio a um nível radical de rigor e porosidade, típico de toda surpresa quando bem praticada. Estado que lembra a estética do conto moderno, como a situa o crítico Ricardo Piglia, em seu Formas Breves, e que pode explicar inclusive o próprio dilema do título do livro aqui resenhado.


O segundo destaque está na questão da "evolução" dos gêneros. Como toda arte, o cinema tende a produzir seus criadores eventuais, que num repente revolucionam a forma de se narrar uma história. Caso do Nosferatu de Murnau (1922) e de tantos outros. No desenvolvimento direto, essas novidades acabam por germinar um intenso processo de deslocamentos, que vai da repetição dos elementos inovadores iniciais até os metafilmes e hibridismos, passando pelos estilismos clássicos; fórmulas, clichês e produção crítica, numa lógica de variação que parece ser a dinâmica pulsante de todas as práticas artísticas. Altamente recomendável.


{n. 3 | julho | 2018}

© 2020 {voz da literatura}

  • White Facebook Icon
  • White Twitter Icon
  • Branco Ícone Google+